Sobre a Parábola do Filho Pródigo

Primeiramente, a atitude do filho mais velho que ao ser noticiado sobre a volta de seu irmão “pecador” e também sobre as festividades que seu pai prepara em comemoração ao retorno do filho que havia se perdido, mostra como ainda impera o orgulho nos corações dos homens. Tratam-se de instintos ainda inferiores, talvez um sentimento confuso que certamente não fora tratado dentro do campo do pensamento, na medida em que o filho mais velho não fora capaz de encontrar em…

Leia mais

Share : facebooktwittergoogle plus

Sobre o Orgulho

O orgulho é uma frequência mental típica dos seres racionais que habitam a Terra na atualidade. Este estado funciona como a antiga visão geocêntrica acerca do cosmos. Acreditava-se que a Terra era o centro do Universo, que tudo girava em torno do Ser central e mais importante para Deus. O conhecimento humano destruiu esta teoria e pela simples razão mostrou que nem a posição da Terra e nem as certezas dos indivíduos são tão absolutos assim. Ora, para combater o…

Leia mais

Share : facebooktwittergoogle plus

Lidando com perdas

A consciência enquanto não se eleva no conhecimento de si, que é refletido no mundo, tende a imaginar que pode ter a posse de objetos ou até mesmo de outros seres vivos. O surgimento do conceito do privado, historicamente associa-se ao processo de individualização do sujeito dentro de uma lógica jurídico-capitalista. Ao mesmo tempo é uma tentativa da consciência de se reconhecer no particularismo das coisas. A ilusão da posse é somente um primeiro estágio da consciência e não lhe…

Leia mais

Share : facebooktwittergoogle plus

Como os pensamentos podem influenciar nossas vidas?

O senso comum pode nos dizer que existe uma separação nítida entre as coisas materiais e o pensamento. Nesta ótica, criam-se necessariamente dois lados conflitantes, o dentro e o fora. O pensamento por ser abstrato e pura operação da mente, sente-se isolado e fraco, parece que ele pode somente inventar quimeras e que sua ação está distante da realidade material. O que há do lado de fora, ou seja, o mundo em si, parece ser dotado de propriedades totalmente diferentes…

Leia mais

Share : facebooktwittergoogle plus

Descartes e o estabelecimento das verdades

Para o filósofo francês René Descartes (1596-1650), os sentidos de forma isolada constantemente nos enganam sobre a veracidade das coisas, portanto, não podem ser tidos como fontes confiáveis de conhecimento. Neste campo das incertezas, Descartes nos apresenta o método de que se utilizou para conduzir a própria razão na determinação das verdades. Percebe-se de início a importância dada a certa postura de vida que o individuo deve ter. É preciso educar-se  em diversas áreas do conhecimento e evitar demasiadas especializações. Sem…

Leia mais

Share : facebooktwittergoogle plus

Prefácio – Caminhos e escolhas

O infinito amor de Deus para conosco se manifesta de diversas formas. Dentre as mais belas, está o direito ao livre-arbítrio. Nós podemos ir aonde quisermos. A Lua já foi o limite e para o próximo século nosso destino será Marte, o planeta vermelho. Poderíamos ter ficado aqui na Terra, mas a curiosidade, a vontade de querer sempre mais, nos impulsionou avante. O que é a vontade senão uma força natural e incessante que nos leva ao descobrimento? Precisamos saber…

Leia mais

Share : facebooktwittergoogle plus

1 2 3